Se você é muito jovem, talvez não se lembre que redes de fast foods como Mc Donald’s, Bob’s e Dunkin Donuts embalavam seus hambúrgueres e donuts em uma caixinha tipo “concha” de poliestireno expandido. Com o sistema de abrir e fechar muito semelhante ao atual, essa era a única semelhança entre a antiga embalagem e a usada atualmente.

O uso de embalagens de poliestireno expandido não é novidade para ninguém. A conhecida embalagem de isopor, por muitos anos vem sendo usada para acondicionamento de alimentos, principalmente por restaurantes, redes de fast foods e comidas para delivery. Porém, felizmente, este cenário vem mudando graças a empresas conscientes e preocupadas com as pessoas e com o nosso ambiente.

Iniciativas como da cidade de Nova Iorque, Los Angeles e inúmeras outras cidades nos Estados Unidos, a utilização de embalagens de isopor (poliestireno expandido) foi banida em qualquer estabelecimento comercial. Restaurantes e lanchonetes foram obrigados a saírem da zona de conforto e criar novas opções de embalagens para suas comidas de delivery.

De acordo com o relatório Plastics BAN – Better Alternatives Now, lançado em conjunto por quatro organizações não governamentais nos Estados Unidos, no fim de 2016, o isopor é considerado um dos piores poluidores do planeta. Ele foi apontado, entre outras coisas, por provocar câncer em animais.

Portanto, há uma tendência global para o banimento do uso do poliestireno expandido para embalagens de alimentos. É importante lembrar que o poliestireno expandido (isopor) é um tipo de plástico e, portanto, derivado do petróleo. Apesar de ser um produto reciclável, a equação peso X volume lhe confere um valor comercial muito pequeno, inibindo uma reciclagem eficaz para o meio ambiente. O isopor tem aproximadamente 5% de plástico e o restante é ar. Ou seja, o interesse na sua reciclagem é baixíssimo.

Aqui no Brasil, temos o Projeto de Lei – PL 5482/16, do deputado Danrlei de Deus (RS). Seu objetivo é proibir o uso de embalagens de isopor para o acondicionamento de alimentos naturais ou processados e bebidas, em todos os estabelecimentos comerciais.

 

Todos os alimentos da Yellow House Burger saem em embalagens de papel, adequadas ao volume do pedido e totalmente de acordo com as regras de integridade do lanche e preservação da natureza.

Por que mudar?

É preciso uma conscientização em cadeia, para que o ambiente seja preservado. A tecnologia atual deve ser usada tanto em prol dos consumidores quanto em prol do ambiente em que vivem. Formas mais sustentáveis e eficazes devem ser adotadas em todos os segmentos e as marcas precisam agir neste sentido.

Restaurantes e redes de fast food precisam prestar atenção na mensagem que querem passar ao seu consumidor. Os valores da marca devem ser consistentes em todas as ações relacionadas com o negócio. Ideias inovadoras não repercutem de forma positiva se não estiverem alinhadas com bons propósitos. Sustentabilidade, menos desperdício, funcionalidade. Tudo isto deve ser levado em conta para encantar o consumidor.

Consolidar o conceito do nosso negócio de alimentos, conferir maior segurança alimentar aos nossos clientes, alinharmo-nos à tendência mundial e sermos ecologicamente corretos são apenas algumas das razões para deixar de utilizar a obsoleta embalagem de isopor, porque inovar também significa fazer mais com menos e é isto que vamos ver daqui para adiante.

Vantagens da embalagem de papel

Atualmente, as redes de restaurantes e fast foods têm opções de embalagens que além de proteger o alimento, são “eco-friendly” e muito mais funcionais que o obsoleto isopor. Sim, pois funcionalidade, praticidade e por que não beleza, são características desejáveis para diferenciar qualquer produto.

As embalagens de papel oferecem uma gama de vantagens frente à embalagem de isopor, o que a torna a melhor opção para o seu negócio de alimentos, refeições ou fast food. Entre as vantagens podemos citar:

  • Maior resistência;
  • É forneável;
  • É reciclável;
  • Resistente ao micro-ondas;
  • Atóxica, mesmo em temperaturas elevadas;
  • Desmontável – o que facilita a estocagem em pequenos espaços;
  • Perfeita para congelados e freezer;
  • Aparência mais sofisticada;
  • É ecologicamente correta.