O crescimento do interesse por hamburguerias no Brasil cresceu exponencialmente nos últimos anos, e nós vimos surgir uma quantidade avassaladora de hamburguerias por todos os cantos do Brasil. E como tudo que vem de fora e faz sucesso aqui, acaba se adaptando aos modismos e aos exageros tupiniquins.

A pizza, um dos símbolos da culinária italiana, a partir das receitas tradicionais, ganhou no Brasil uma gama de variações que ultrapassam os 3 dígitos. Temos receitas adaptadas deliciosas, com nomes tão tradicionais que parecem que vieram com a primeira receita italiana. Mas há os exageros e os excentrismos, como a pizza de sorvete.

O mesmo aconteceu com o Cheese Burguer, uma variação do hamburguer, que, de acordo com o nome, é basicamente pão, carne e queijo, esse delicioso lanche logo se transdformou no ‘X Burguer’ e finalmente no ‘Xis’. E enquanto lhe diminuiam o nome, aumentavam seu recheio, e o nosso Xis se transformou numa refeição para nutrir um estivador faminto e deixá-lo nocauteado por algumas horas, mas não deixa de ser delicioso.

Com o hamburguer não seria diferente: à medida em que foi ganhando o território nacional, foi adaptando receitas, modismos e se transformando, em alguns casos tão exageradamente grandes que precisam de três a quatro pessoas para serem consumidos. Mas nada disso é motivo para não vivermos a experiência de degustar estas delícias exacerbadas, que no entanto nos suscitam uma máxima da gastronomia que não deve ser ignorada por aqueles que buscam a essência do sabor: ‘menos é mais’.

 

Menos é Mais

Isso mesmo, ‘Menos é Mais”. Mas o que realmente isto significa? Pense na culinária como uma química, onde o uso de um insumo poderá ficar perfeito, se usado na quantidade certa, ou poderá sumir ou mesmo estragar a receita, se usado na quantidade errada. Ou seja, todos os insumos utilizados em uma receita devem combinar sabores, contrabalançar a acidez, ressaltar aromas, e para isso devem entrar na quantidade exata, muitas vezes testada, saboreada e aprimorada, para que no final de tudo, o sabor seja o fator preponderante na experiência gastronômica.

Dessa forma, quando voce encontra um lanche com blends gigantes de carne, uma quantidade anormal de queijo derretido e escorrendo por todos os lados, grossas fatias de bacon, tomate, e tudo mais que o chef encontrou pela frente, definitivamente, esta não será uma boa experiência. E pior de tudo, se o preço for ‘bem em conta’. Ora, todos sabemos que a qualidade de uma alimento, um prato, um lanche, está diretamente ligada à qualidade dos insumos utlizados. Por isso os hambúrgueres artesanais, de uma forma geral, não são baratos.

Então, se você encontrar um lanche gigante, desproporcional e a um preço razoável, desconfie da qualidade e do sabor.

Para nós da Yellow House Burger, um lanche, além de saciar a fome deve oferecer uma experiência gastronômica diferenciada. É muito gratificante quando ouvimos de clientes que, eles esperam toda a semana para pedir um Yellow House porque estão “viciados” num determinado hambúrguer. Sabemos que o motivo deste elogio e desta vontade de repetir o lanche é o resultado da qualidade e das marcas de excelências que utilizamos. Desde o blend de carnes, seu preparo, montagem, tempero e fritura, passando pelo pão, com cuidados de preparo que pouquíssimos chefs se dão ao trabalho, às verduras e legumes criteriosamente selecionados, chegando aos molhos da casa, especialmente preparados darem o toque diferenciado e próprio.

Experimente nossos hambúrgueres e ateste o que muitos já comprovaram: o sabor dos nossos lanches vão deixá-lo fã da Yellow House Burguer.